7 erros fatais ao enviar sua arte para impressão - Blog da Imprima Rápido

Postado em 24/11/2016

7 erros fatais ao enviar sua arte para impressão

Não há nada melhor do que aquela sensação de ver seus materiais impressos chegando prontinhos, exatamente do jeito que você esperava, não é mesmo?

Por outro lado é bem desagradável receber um produto que poderia estar lindo, mas ficou com cores diferentes das que você queria, aquele errinho cruel de digitação, acabamentos errados, manchas, enfim… a lista é longa!

Para que seu produto seja produzido sem erros e corresponda 100% às suas expectativas, veja abaixo quais são os 7 erros mais comuns ao enviar artes para a gráfica e fique atento para não cometê-los!

Erro 1: Usar um modo de cor diferente do CMYK

O modo de cor específico para produção gráfica é o CMYK. É um erro comum não prestar atenção nisso e enviar os arquivos em outros modos, principalmente em RGB, mas também em Pantone, Color System, Unnamed Color, etc.

Se essas cores forem usadas na arte enviada para a produção, poderá haver variações significantes de tonalidade no material impresso.

Não esqueça de converter também os contornos, imagens bitmap e preenchimentos com texturas para o modo CMYK!

Erro 2: Não conferir os textos da arte

Um erro mais comum do que se imagina é a impressão de textos com deslizes no português, especialmente na ortografia. Entretanto, é também um dos erros mais simples de serem evitados!

Antes de enviar seu arquivo, revise cuidadosamente os textos da arte, e se possível peça para mais de uma pessoa conferir.  Na dúvida, recorra ao bom e velho dicionário!

Erro 3: Não usar padrões/gabaritos

Gráficas de qualidade costumam disponibilizar gabaritos/padrões para serem usados na criação das artes. Esses gabaritos têm o tamanho adequado para a montagem dos materiais, evitando impressões com tamanho errado e sobras de papel aparentes na impressão.

Aqui na Imprima Rápido disponibilizamos os padrões para todos os produtos. Além dos gabaritos que indicam o tamanho correto dos produtos, há indicações das margens de segurança, área de corte, área de sangria e orientações gerais para a impressão.

Erro 4: Usar preto carregado

A expressão “preto carregado” corresponde ao uso dos 4 canais do CMYK para gerar a cor preta. Quando a soma dos canais ultrapassa 320% (Exemplo: C:80 M:70 Y:70 K:100) é gerada uma sobrecarga de tinta no material, ocasionando manchas e tonalidades diferentes da desejada.

Para saber se o preto está carregado, no Corel Draw selecione o Conta-gotas e passe a ferramenta sobre todas as áreas de preto. Ao fazer isso vão aparecer 4 números, que se referem aos 4 canais do CMYK. Basta somar esses números e garantir que o valor total não ultrapasse 320%.

Já no Illustrator e no Photoshop, selecione a ferramenta Conta-gotas (teclando “i”). As porcentagens de cor vão aparecer na janela “Cor/Color”, no entanto é preciso selecionar, nessa mesma janela, a aba CMYK.

Outros tons de cor também podem estar sobrecarregados. Geralmente cores mais escuras como marrom e roxo. A fidelidade de cor, nesses casos, pode ser bastante comprometida, além de poder causar manchas no material.

Veja, no vídeo abaixo, como usar corretamente a cor preta nos seus impressos!


Erro 5: Não converter os efeitos em bitmap/rasterizar

Quando se pensa em fidelidade de cor, um dos seus piores inimigos, sem dúvidas, é a não conversão dos efeitos em bitmap (no Corel Draw) ou rasterização (no Photoshop e Illustrator), já que alguns efeitos podem ter variações de cor durante o processo de impressão.

Para evitar isso, antes de exportar seu arquivo, converta todos os efeitos em bitmap, se estiver usando Corel Draw, ou rasterize (quando necessário), caso esteja trabalhando com Photoshop ou Illustrator.

Leia também: PDF/X-1a: Por que enviar arquivos nesse formato?


Erro 6: Não converter as fontes em curvas

Quando você trabalha com tipos de fonte diferentes dos usuais, essas fontes estão instaladas no seu computador, mas pode ser que o computador da gráfica que receberá o arquivo não tenha a mesma fonte. Sendo assim, a fonte que você escolheu será automaticamente substituída por outra, comprometendo a sua arte.

Para evitar isso, sempre converta as fontes em curvas. Fazendo isso, o texto passa a ser uma imagem em vetor e não é mais “lido” como um arquivo de texto. Sendo assim, é desnecessário que o computador da gráfica tenha a(s) fonte(s) usadas na arte, o que garante que seu material fique com o texto exatamente da forma que você criou!

Na nossa central de conteúdos em vídeo criamos tutoriais ensinando a converter as fontes em curvas nos principais softwares de criação. Clique AQUI para conferir!


Erro 7: Não fazer a marca d’água corretamente

Ao criar o efeito de marca d’água, ou seja, uma diferença de tonalidade de um objeto em relação a outro (geralmente do fundo com relação a outro objeto), é preciso que haja ao menos 15% de diferença na tonalidade de cor dos canais CMYK entre um objeto  e outro.
Se a diferença for menor que 15% é possível que não haja uma diferença perceptível entre os objetos, e a marca d’água não tenha um resultado satisfatório.

Antes de enviar seus arquivos para a gráfica, sempre verifique se por algum descuido um dos deslizes ditos acima foram cometidos. Você pode até mesmo criar um checklist para conferir se nada ficou para trás.

Lembre sempre que o fechamento correto de um arquivo é uma etapa importantíssima para garantir uma impressão de qualidade!

Ah! Não deixe de ver nosso conteúdo especial com 5 dicas para sua gráfica vender mais! Para ler, clique AQUI!.